26 junho 2006

A Tale of Two Sisters by Ji-woon Kim (2003)


O próximo a merecer destaque é um filme que ganhou uma das Edições (2004) do Fantasporto... curioso o facto de ao editar este post ter reparado que este filme tem estreia marcada para o dia 28 de Junho no Colombo!!! Custa muito às distribuidoras apostar em cinema menos convencional, vindo de outras paragens, como é o caso de "A tale of two sisters". Daí só agora chegar ao circuito comercial.

Aqui o medo é constante, numa grande obra de Ji-woon Kim, mais um realizador Sul-Coreano a merecer nota de destaque neste blog! Ambiente gótico, brilhantemente filmado, argumento duro, daqueles que nos prende à cadeira, alta tensão neste thriller, alta tensão e alta atenção... este é um daqueles filmes em que nada pode acontecer enquanto o vemos, tal é a intensidade da história. Conta com um dos melhores twists ( as tais sensações quentes a subir pelo peito) de que tenho memória!

Duas irmãs regressam a casa após um tratamento numa clínica psiquiátrica, mas vão ter de lidar com a terrível madrasta (grande actriz esta chinoca, Jung-ah Yum) e o fantasma da Mãe deambulando pela casa!!! Fita multi-premiada, se bem que prémios e nomeações não serão regularmente aqui divulgados, não é esse o conceito do blog.

Este é dos poucos filmes que pretendo ver uma segunda vez, aliás este é dos poucos filmes que são feitos para se verem duas vezes, este filme é uma autêntica prova à nossa imaginação e raciocínio, devo referir que foi o único filme que me fez visitar foruns de discussão de cinema (imdb)... tenho uma boa oportunidade de o rever em tamanho gigante já a partir do dia 28, é sempre uma sensação diferente! Faz parte da minha DIVX collection.

Por toda a intensidade, pela onda de terror, pelas interpretações e pela argumento: 8.5/10

3 comentários:

MAUROTCHITCHO disse...

Da lhe trini!!!tas um verdadeiro Lauro Dermio..lolol....abraco..prepara a papada.....

tostamista disse...

Eu acho que este filme tem apenas um ponto menos positivo mas que também lhe dá algum valor... É que, no fim, ficamos com cara de bocós a pensar "majeee... atão aquela era a tia da prima da mãe que tinha morrido, é? Ou era o pai da filha que tinha sido morta pela irmã gémea?... põe lá isso para trás, bolas!..." Mas, eu tenho cá para mim que há-de haver uma explicação... Descubram e depois expliquem-me tudo como se eu fosse o Bush, ok?

trini!!! disse...

sim esse de facto o aspecto menos favorável do filme... de qualquer das formas, julgo que a intenção do realizador era mesmo fazer-nos pensar... quantos filmes de terror existem que nos façam pensar???