30 junho 2006

Le Fabuleux destin d'Amélie Poulain by Jean-Pierre Jeunet (2001)


Ao rodar para baixo aquela rodinha que é comum os ratos terem (e que o meu tem) reparei que o clima estava algo tenso... muitos posts em que os filmes de que vos falo carregam alta tensão, finais duros e argumentos pesados... mas eis que chegou a hora de vos oferecer algo mais doce, mais suave mas mantendo o nível de intransigência deste blog, ou seja, um filme inesquecível!!!

É isso mesmo que "Le Fabuleux destin d'Amélie Poulain" é, pelo menos é assim que eu o recordo, como algo inesquecível e tremendamente doce.

Jean-Pierre Jeunet (Delicatessen, Un Long Dimanche de Fiançailles, Alien 4) é um realizador Francês nascido em Roanne, capaz de nos trazer obras deliciosas, de humor carregado de sarcasmo e sem nunca perder o fio condutor que um bom filme deve ter. Para aqueles que carregam consigo o preconceito do Cinema Francês aconselho-vos a darem o benefício da dúvida a este filme.

Audrey Tautou (L'auberge Espagnole, Les Poupeés Russes, Un Long Dimanche de Fiançailles, À la folie... pas du tout, The Da Vinci Code) é Amélie Poulain, uma jovem francesa inocente e ingénua, que vive em Paris e trabalha num café local. Certo dia decide espalhar a felicidade por todos os que com ela se cruzam numa autêntica viagem de inciativa. Entretanto Amélie descobre o Amor e leva-nos numa aventura misteriosa ao encontro do seu amado... será que este Amor resultará?

Este é decididamente um dos filmes da minha vida, são deliciosos os diálogos que Jeunet preparou para nos entreter e se este filme pode ter vários objectivos, um deles é certamente o entretenimento puro!

Trivia: * Sempre que filmavam no exterior, Jeunet e a sua equipa limpavam a zona para que ficasse livre de grafitis, cartazes e lixo, para que o ambiente se adequasse à fantasia que Jeunet idealizara. Esta tarefa foi particularmente difícil quando chegou a hora de filmar na Estação de Comboio.

* Yann Tiersen (compositor da banda sonora) não foi a primeira escolha de Jeunet, de facto Jeunet ouviu-o pela primeira vez quando se dirigia para o local das filmagens.

* As cores principais do filme (verde, azul e vermelho) são inspiradas em pinturas de um artista Brasileiro de nome Juarez Machado.

* Jeunet começou a juntar as peças (estórias e memórias) para este filme em 1974.

O ambiente que Jeunet criou é verdadeiramente genial, a interpretação de Audrey Tautou é também muito boa e o argumento mantém níveis de adrenalina que nos mantêm sempre muito "dentro" do filme... por tudo isto: 8.6/10
ps: a falta de "linK" para o Código Da Vinci é propositada... adivinhem porquê ;) !!!

1 comentário:

tostamista disse...

É um filme muito "fofinho" sem dúvida... fofinho-fofinho e quiduxo também... De facto, o blog já pedia algo mais soft... Continua Trini!